Filtrar por

  • até

Alckmin assina contrato do monotrilho para o estádio do Morumbi, mas esquece Copa

cityname-sao-paulo
Geraldo Alckmin em evento de assinatura

Geraldo Alckmin em evento de assinatura do contrato de construção do monotrilho

Neste sábado, 30, Geraldo Alckmin assinou o contato para a construção da Linha 17 – Ouro do Metrô. O projeto da linha prevê a ligação por um monotrilho da estação Jabaquara do Metrô com a estação São Paulo-Morumbi, passando pelo aeroporto de Congonhas. Porém a obra não estará pronto para a Copa do Mundo. Esse investimento ainda consta na Matriz de Responsabilidade de São Paulo da Copa, não época em que foi planejado o estádio do São Paulo Futebol Clube era a opção da cidade para receber os jogos da competição. Durante o evento de assinatura, o governador não comentou sobre a Copa do Mundo.

Até meados de 2014, ou seja, pouco antes do inicio do evento da FIFA, está previsto a entrega da primeira etapa da linha entre o aeroporto e a estação do Morumbi dos trens da Companhia Paulista de Transporte Metropolitano (CPTM). Apesar de dividirem o mesmo nome, a estação está 5 quilômetros a pé do estádio do São Paulo Futebol Clube. A ligação com o estádio só deve ser concluída em 2015.

O governo manteve o projeto com a justificativa de ligar o aeroporto de Congonhas com uma região com grande concentração de hotéis.

A linha 17-Ouro será operado com tecnologia de monotrilho, que trafega em vias elevadas instalada, em grande parte, nos canteiros centrais de avenidas, o que diminui o tempo de construção, as desapropriações e os custos. Em compensação os monotrilhos representam uma interferência arquitetônica maior na cidade e são projetados para transportar uma quantidade menor de passageiros por hora em comparação aos trens do Metrô convencional, 20 mil comparados com 60 mil.

As obras serão feitas pelo Consórcio Monotrilho Integração, composto pelas empresas Scomi (da Malásia),

, CR Almeida e Montagens e Projetos Especiais e devem custar cerca de R$ 3,1 bilhões, com recursos dos governos do Estado, do Município e empréstimo do Governo Federal (Caixa Econômica Federal e BNDES). Segundo o governo paulista A Linha 17-Ouro completa terá 18 quilômetros de extensão e 18 estações. A demanda prevista é de 252 mil pessoas por dia e a operação a partir de 2015.

5 respostas a Alckmin assina contrato do monotrilho para o estádio do Morumbi, mas esquece Copa

  1. dora lisa f del nero disse:

    Como pode um projeto ser criado numa regiao com zoneamento 1, cjheio de arvores, pássaros e residencias que foram compradas com esforco e muito trabalho.. Não acho que o Morumbi não mereça um transporte adequado, mas não consigo entender que um local que pode ser considerado um dos pulmoes de SP seja destruido porque nossos urbanistas/arwquitetos/engenheiros de transporte não consigam criar estrategias para melhorar a vida dos paulistanos desta região. Acho que destruir oque esta bonito ….sem um estudo adequado só mostrara ao MUNDO como o respeito pelo direito do individuo que pAGA impostos, trabalha , contribui de forma honesta , com cidadania deve ser preterido porque não houve ume studo urbanistico quando foi liberado a expansão do bairro sem nenhuma preocupa’ção com o futurop. ISSO é a falta de organização, planejamento e mais uma vez o desrespeito com o cidadão honesto que compra seu imóvel e depois se ve no risco de ser desaprpopiado. Meus pêsames a todos que como eu se veem ha 2 anos nesta incerteza do que será com nossas casas.
    Atenciosamente
    Dora

    • Beatri disse:

      Prezada Sra Dora acredito que a Sra nao precise de transporte publico…Porque senão pensaria ao contrário
      precisamos de saidas urgente…o povo tem que trabalhar e chegar no trabalho descansado..
      o transito esta um sufoco total……..o governo tem mais é que investir na volta dos bondes….nao por causa da copa mas por causa de agilizar e melhorar o transporte das pessoas que colaboram para o engrandecimento do pais

      Alkmin espero que os trens bondes……monotrilho metro fiquem prontos a todo vapor

      obrigada

    • Raphael disse:

      Prezada Dora

      É por causa de pessoas como motoristas que andam de carro particular muitos dos quais através de estudos já apontaram não ser necessário seu uso (não cito aqueles que possuem a real necessidade de utilizar um veículo) e entupindo as ruas, que foi adotado a política rodoviarista no Brasil há décadas. Agora, assim como você adquiriu com muito esforço sua casa, ou seu apartamento, muita gente está se acabando no trânsito dentro de ônibus lotados, além dos trem e metrô sobrecarregados, e chegando cansado já no trabalho e em casa e ainda sim não conseguem comprar uma casa.

      Transporte deve ser prioridade em uma das maiores cidades do mundo, tal qual o meio ambiente também, e pense que sua casa somente se valorizará com transporte público próximo, mesmo que não use, é a lei imobiliária de São Paulo. Ninguém pode deter os planos de expansão que atenderá a milhões de trabalhadores por anos. É uma questão de tempo até que o Morumbi e regiões nobres fiquem acessível a nós, “pobres”.

      A cidade não vai parar a sua dinâmica de crescimento, nem mesmo por força de lideranças comunitárias. Enquanto há uma pessoa em um carro particular reclamando do trânsito, há outras 4 mil no metrô/ cptm por composição e outras 80 ou 90 em cada um dos 15 mil ônibus e micro-ônibus da cidade, torcendo para chegarem no horário de trabalho, uma vez que mesmo madrugando correm o risco de se atrasarem por conta de motoristas egoístas.

      Se a demanda fosse outra, o foco seria nos transportes, mas hoje é muito mais importante facilitar a compra de um carro 0km do que garantir mobilidade urbana nas cidades. Esse problema está trazendo a tona uma frase muito dita no fim da década de 90: chegará o momento que o trânsito do período da manhã, se unirá com o trânsito da noite.

      Repense seus conceitos, repense suas preocupações, suas prioridades para com a cidade. A cidade é um organismo vivo, que exclui quem não faz parte dele. Tal qual um vírus em nosso sistema.

  2. senhor governador parabeniso pela construção dos monotrilho que desafogara o transito nessas regiões tenho certeza que quem tem carro vai aproveitar e andar de monotrilho tbem deixando seus carros em casa,agora gostaria que o senhor olhasse com carinho esse outro lado da região de santo amaro, moro num bairro que se chama myrna logo depois do terminal varginha e trabalho no jabaquara saio todos os dias de madrugada para poder ir sentado,porque é muita gente em todos os horarios da..
    (linha 695x),a volta é pior ainda saio do serviço as 17:30 horas,chego no terminal jabaquara tenho que enfrentar filas,a demora dos onibús fora o transito caótico,nas avenidas whogliton luiz,interlagos e teotónio villela,vou chegar na minha casa por volta das
    21:oo horas isso é todos os dias,se o senhor fazer uma pesquisa nessa linha vai ver que por baixo tem em media por dia umas 100 mil pessoas,e uma implantação de um monotrilho nesse trecho diminuiria o tempo da viagem de ida e volta.e o senhor pode ter certeza que prejuizo o governo não vai tomar,tenho a conciência que é uma construção cara e em volve uma serie de coisas mais ajudaria não só eu como todas as pessoas que usão essa linha para trabalhar,olha não deixe de fazer á pesquisa,
    muito obrigado pela oportunidade.

  3. mara disse:

    o morumbi precisa MUITO de transporte publico ,porem de trasporte publico de qualidade e alta capacidade.o monotrilho fracassou em todos os paises qdo tetara substituir o metro;.o custo por passageiro eh elevadissimo ,pois transporta cerca de 1\4 do metro..os moradores do morumbi,iinclusive as comunidades mais carentes,querem METRO.Dizer o contrario eh enganação.

Deixe uma resposta para mara Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *